Roleta russa do COVID-19

Roleta russa do COVID-19. Número de casos do novo coronavírus nunca diminuiu.

Em alguns países os casos de COVID-19 até foi completamente eliminados mas temporariamente. É o caso da Nova Zelândia que fez alguma “lição de casa” mas voltou a ter novos casos recentemente.
O gráfico abaixo mostra que nunca houve descanso de novos casos confirmados do COVD-19 no mundo.

Número de casos do novo coronavírus nunca diminuiu.
Fonte: Johns Hopkins University

Em alguns países como os Estados Unidos e Brasil foram os que mais contribuíram para o aumento de novos casos. Em 5 meses foram de zero a quase 3 milhões de infectados pelo COVID-19. Hoje estamos a pouco mais de 10 milhões no mundo todo. Um terço está somente nesses dois países.

Culturalmente não irão diminuir o número de casos. Nos Estados Unidos e no Brasil ninguém parece ligar e se importar e sempre dão desculpas para sair e fazer coisas fúteis. Incrível!

Imaginem uma história: Precisamos de 100 pessoas numa área. 5% irão morrer. Quem quer entrar nessa área? E não ganha nada. Apenas continua vivendo. Para nós isso tem um nome: “roleta russa”.

Temos que explicar o que é isso. Roleta russa surgiu aparentemente na Rússia no século XIX (dezenove) como um jogo de azar. Consiste basicamente em colocar apenas um cartucho (bala de revólver) no tambor do revolver e girá-lo para não saber onde o cartucho está. Depois é só atirar contra a sua própria cabeça. Se der sorte, sobrevive.

Nós da redação estamos pensando… analisando… processando… e tentando entender o porquê essas pessoas entrariam nessa referida área. Você está jogando e brincando com a morte de verdade, sem brincadeira.

Fazer compras no mercado, ir numa padaria e açougue já seria participar dessa roleta russa. Mas ir em um calçadão dar uma espairecida, encontrar um amigão do peito para dar aquela notícia surpreendente…

Sabemos que em alguns casos não tem jeito de evitar. Mas estaremos rezando para que não haja nenhuma cartucho no tambor.

O que achou disso? Comente aí. Não esqueça de ver mais, clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *